Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Programas

Publicado: Quarta, 21 de Dezembro de 2016, 17h46 | Última atualização em Quinta, 22 de Dezembro de 2016, 09h04

Programa de Manejo de Fogo

Além dos Planos operativos, o Prevfogo também elaborou há alguns anos um Programa de Manejo de Fogo para Unidades de Conservação Federais.

O Manejo de Fogo é um programa que combina estudos e pesquisas sobre o fogo como fator ecológico, investigação da origem e causas dos incêndios e elementos de prevenção, supressão ou combate e uso do fogo. Sua escala de abrangência pode ser nacional, regional ou mais reduzida, contemplando apenas uma unidade de conservação.

Nas Unidades de Conservação tem por objetivos desenvolver e fomentar estudos sobre os efeitos do fogo nos diversos ecossistemas; recuperar as áreas atingidas pelos incêndios, definir objetivos claros de manejo para que seja estabelecido um determinado regime de fogo; estudar o modelo de combustíveis, implantar estações para monitorar as condições meteorológicas e de umidade dos combustíveis para avaliar o risco de ocorrência dos incêndios e prever o comportamento do fogo e prioritariamente, pode ser definido como um conjunto de ações para evitar grandes incêndios, cujos impactos sobre a conservação da biodiversidade são de grande importância.

Os programas de manejo de fogo devem ser implementados por meio de planejamento integrado de prevenção, que envolve temas como educação ambiental, campanhas com envolvimento da mídia e meios locais de comunicação, treinamento de pessoal, suprimento de equipamentos, implantação de sistema de detecção de focos, implantação de sistemas de comunicação, manejo de combustíveis e supressão de incêndios, conforme Roteiro Metodológico.

O programa de manejo de fogo é de natureza dinâmica, tendo necessariamente que ser adaptado periodicamente, à medida que aumenta a participação institucional e social; mais conhecimentos se acumulam; e a matriz constituída pelo uso da terra no entorno da unidade de conservação adota alternativas que garantam a sustentabilidade da produção, evitando o mau uso do fogo.

Para tratar das crises agudas que são os incêndios florestais deve-se desenvolver ações para preparar a região para o combate. Treinar e equipar o pessoal, dotar a unidade de conservação de infra-estrutura e envolver os vizinhos. Monitorar os focos de calor em toda a região do Parque para impedir o uso indevido do fogo, detectar os incêndios, ter pessoal do Ibama, de outras instituições e da sociedade devidamente preparados e equipados, para combater os focos que possam apresentar risco de incêndio para a unidade e para as propriedades da região.

Os problemas crônicos na região, originados pela matriz de usos do solo para a produção (silvicultura e agropecuária), que são potenciais causas de incêndios, devem ser identificados, juntamente com os atores responsáveis pela transformação da situação, que de forma integrada tem que estabelecer as ações saneadoras e mitigadoras. 

Parque Nacional de Aparados da Serra/RS - 1999 

Parque Nacional da Serra da Bodoquena/MS - 2003

Fim do conteúdo da página