Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Tocantins
Início do conteúdo da página
  • Brasília (12/09/2016) – O Ibama realiza, de 26 a 30 de setembro, nove audiências públicas para apresentar o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) do sistema de transmissão Xingu-Rio às comunidades interessadas. O empreendimento, que possui 2771,8 km de linhas e instalações associadas, atinge 78 municípios nos estados do Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro. A audiência pública é uma das etapas da avaliação de impacto ambiental e o principal canal de participação das comunidades nas decisões relacionadas ao empreendimento. Seu objetivo é apresentar o conteúdo dos estudos desenvolvidos pelo empreendedor aos interessados, esclarecer dúvidas e receber críticas e sugestões.

    Datas e locais das reuniões:

    Seropédica (RJ): dia 26/09/2016, às 18h30, no Seropédica Atlético Clube, localizado na Av. Ministro Fernando Costa nº 1330.

    Monte Alegre de Goiás (GO): dia 26/09/2016, às 18h30, no Teatro Multiuso, localizado na Praça Santo Antônio, nº 30, Centro.

    Andrelândia (MG): dia 27/09/2016, às 18h30, no Campestre Clube de Andrelândia, localizado na
    R. José Andrade Godinho nº 510.

    Porto Nacional (TO): dia 27/09/2016, às 18h30, no Centro Cultural Prof. Durval Godinho, localizado na Av. Joaquim Aires, s/n, Centro.

    Itutinga (MG): dia 28/09/2016 às 18h30, no Salão Cultural do Município, localizado na R. Lavras, nº 50, Centro.

    Itaporã do Tocantins (TO): dia 28/09/2016, às 18h30, na Escola Municipal Dona Augusta Maria de Jesus, localizada na R. Sete de Setembro, s/n, Centro.

    Unaí (MG): dia 29/09/2016, às 18h30, no Itapuã Iate Clube, localizado na R. Ursilino Brachado, nº 267, Centro.

    Curionópolis (PA): dia 29/09/2016, às 18h30, no Hotel Serra Leste, localizado na Rodovia PA-275, km 31, s/n, Bairro Planalto.

    Novo Repartimento (PA): dia 30/09/2016, às 18h30, no Auditório da Prefeitura de Novo Repartimento, localizado na Av. Girassóis, Quadra 25, nº 15, Bairro Morumbi.

    Mais informações:
    EIA/RIMA
    Edital de Convocação
    Edital de Disponibilização do EIA/RIMA

    Assessoria de Comunicação do Ibama
    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
    (61) 3316-1015

  • Brasília (23/05/2018) – Operação do Ibama realizada em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) para coibir o desmatamento ilegal no Cerrado resultou até o momento na aplicação de 62 autos de infração, que totalizam R$ 105,7 milhões. Iniciada no fim de abril, esta fase da Operação Shoyo ocorreu em quatro estados: Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, na região conhecida como Matopiba, com o objetivo de responsabilizar empresas e produtores rurais que descumprem embargos de áreas ilegalmente desmatadas e comercializam, financiam ou intermedeiam produtos agrícolas procedentes dessas áreas.

    A partir do cruzamento de dados geoespaciais foram identificados 60 polígonos com embargos descumpridos. As ilegalidades estavam associadas a 78 pessoas (físicas e jurídicas) e 77 imóveis. Produtores rurais foram autuados por descumprir embargos do Instituto em 40 propriedades, impedir a regeneração natural em outras 14 e comercializar produtos de origem vegetal produzidos em áreas embargadas de 10 imóveis rurais.

    Cinco tradings foram multadas em R$ 24,6 milhões por adquirir 49.205 sacas de 60 kg de soja produzida em áreas embargadas pelo Ibama. Durante a investigação foi constatado que a compra antecipada de grãos financiou a atividade ilegal.

    A lista pública de embargos ambientais, disponível para consulta no site do Ibama, aponta as áreas proibidas para produção. O art. 54 do Decreto 6.514/2008 define como ilícito ambiental o comércio de produtos rurais procedentes dessas áreas. Na Amazônia Legal, a lista pública de autuações e embargos é usada por integrantes da cadeia produtiva da soja em análises de risco para a concessão de créditos rurais, o que gera compromissos econômicos voluntários em favor do controle do desmatamento.

    O Matopiba é uma região de intensa expansão do desmatamento no Cerrado. Por isso, é necessário maior envolvimento das cadeias produtivas para aumentar a conservação do bioma.

    “O desmatamento ilegal no Cerrado é mais acelerado no Matopiba do que em outras regiões do bioma, o que exige o aprimoramento das estratégias de controle para garantir que a dissuasão atinja todos os elos ilegais na cadeia produtiva”, diz o coordenador-geral de Fiscalização Ambiental do Ibama, Renê Luiz de Oliveira.

    Foram apreendidas até o momento 84.024 sacas de grãos durante a operação, o que corresponde a 5.041 toneladas. Além das medidas aplicadas pelo Ibama, o MPF irá propor ação civil pública para que os infratores reparem todos os danos ambientais causados pela atividade ilegal.

     

    Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relacionados:

     

    Assessoria de Comunicação do Ibama
    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
    061 3316 1015

Fim do conteúdo da página