Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Agrotóxicos > Boas Práticas de Laboratório (BPL)
Início do conteúdo da página

Boas Práticas de Laboratórios (BPL)

Publicado: Terça, 20 de Dezembro de 2016, 15h42 | Última atualização em Terça, 28 de Abril de 2020, 17h16

 

 


O que é BPL?

É o sistema da qualidade que diz respeito a organização, metodologias, procedimentos e  condições sob as quais estudos em laboratórios, semi-campo e campo são planejados,executados, monitorados e mantidos pela entidade responsável pela sua condução.

Constitui um conjunto de princípios que asseguram a confiabilidade dos laudos emitidos por um dado laboratório ou entidade, garantindo a qualidade das informações que são submetidas ao Ibama para subsidiar a avaliação ambiental de agrotóxicos.

Voltar para o topo


Histórico

A obrigatoriedade estabelecida pelo Ibama, quanto ao credenciamento, através do Inmetro, para a execução de testes visando a análise do PPA de produtos agrotóxicos e afins surgiu com a publicação da Portaria Ibama nº 139 de 21 de dezembro de 1994. O Inmetro  instituiu a Comissão Técnica de BPL  para discutir, elaborar e publicar documentos-guias para a adoção das BPL no Brasil. Em 1995 foi publicado o documento Princípio das Boas Práticas de Laboratórios, tendo como referência o documento OECD “Series on Principles of Good Laboratory Practice and Compliance Monitoring”.

Em 17 de junho de 1997, foi publicada a Portaria conjunta Ibama/Inmetro nº 66/97 que estabelece critérios para credenciamento, por parte do Inmetro, de laboratórios nacionais e o reconhecimento de laboratórios estrangeiros que realizam testes e exigidos pelo Ibama, de acordo com as BPL.

Voltar para o topo


Objetivos do Programa BPL

  • Promover a elevação do nível de qualidade e confiabilidade dos estudos ambientais que visam o registro, fiscalização, controle e monitoramento de produtos químicos, bioquímicos e biotecnológicos;
  • Promover maior eficácia na análise ambiental de agrotóxicos, seus componentes e afins;
  • Implantar um sistema de controle de qualidade interlaboratorial e a definição de laboratórios de referência na área ambiental;
  • Propiciar a geração de conhecimentos científicos, principalmente o comportamento de produtos químicos em ambientes de clima tropical;
  • Estabelecer o aumento do número e da qualificação de técnicos nas áreas de toxicologia e ecotoxicologia, formando massa crítica no setor;
  • Possibilitar o reconhecimento internacional dos laboratórios brasileiros que atuam na área ambiental;
  • Contribuir, por dados nacionais confiáveis, com redes mundiais de dados laboratoriais que visam o monitoramento ambiental internacional de substâncias químicas.

 

Voltar para o topo

Fim do conteúdo da página