CNPT

Conservação do Homem ou dos Recursos Naturais?

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis constatou através dos seus diversos programas e trabalhos ao longo e largo do pais, que as questões ambientais e as questões sociais são indissolúveis.

O IBAMA constatou a força crescente da evidência de que a maior agressão ao meio ambiente é a miséria. Esta realidade tem feito surgir e crescer uma nova face do Instituto, a face antropocêntrica, pois o ambiente existe para o homem e pelo homem. Conservada esta espécie, ela pode conservar as outras.

Esta nova face fez com que o Instituto criasse o Centro Nacional de Desenvolvimento Sustentado das Populações Tradicionais (CNPT) para desenvolver suas ações junto ás camadas sociais que tem maior dependência dos recursos naturais.

1. Histórico do CNPT
2. Estrutura e funcionamento do CNPT
3. Princípios básicos de atuação
4. Principais programas em execução pelo CNPT
5. Fale conosco


1. Histórico do CNPT

O Centro Nacional de Desenvolvimento Sustentado das Populações Tradicionais - CNPT, foi criado através da Portaria IBAMA N° 22, de 10/02/92, tendo como finalidade promover elaboração, implantação e implementação de planos, programas, projetos e ações demandadas pelas Populações Tradicionais através de suas entidades representativas e/ou indiretamente, através dos Órgãos Governamentais constituídos para este fim, ou ainda, por meio de Organizações não Governamentais.

Dentre as atribuições específicas do CNPT cabe destacar:

  • Promover o desenvolvimento econômico visando a melhoria da qualidade de vida das populações tradicionais baseada na sustentabilidade, na cultura e nos conhecimentos por elas acumulados;
  • criar, implantar, consolidar, gerenciar e desenvolver as Reservas Extrativistas em conjunto com as populações tradicionais que as ocupam;
  • assessorar, elaborar, coordenar, executar, supervisionar e monitorar o desenvolvimento e a implantação de planos, programas, projetos e ações demandados pelas populações tradicionais das unidades de conservação de uso direto e indireto;
  • promover a articulação com Instituições Federais, Estaduais e Municipais visando a obtenção de apoio político, técnico e financeiro, para a implantação dos planos, programas, projetos e ações demandados pelas populações tradicionais;
  • promover a articulação com órgãos governamentais, organizações não-governamentais e Representações das Populações Tradicionais, visando subsidiar a definição de políticas e implementação de planos, programas e projetos das populações tradicionais; e
  • implantar, em conjunto com o Centro Nacional de Informação Ambiental, um subsistema de informações tendo como referência os planos, programas, projetos e ações implementadas, visando a sistematização de conhecimentos e o desenvolvimento de metodologias relacionadas à problemática das populações tradicionais;

A criação do CNPT significou um importante avanço porque através dele foi reconhecida a importância da participação do homem na solução das questões ambientais, uma vez que sua criação:

  1. Foi fruto de uma reivindicação da sociedade;
  2. Constituiu a prova concreta de que a questão social e ambiental são indissolúveis;
  3. Abriu espaço para facilitar o diálogo e a cooperação entre o Governo e a Sociedade; e
  4. Foi um reconhecimento de que a solução dos problemas ambientais, exige modelagem de estruturas institucionais dinâmicas, capazes de responder as demandas da sociedade de forma eficaz e eficiente.

A Secretaria de Meio Ambiente da Presidência da República - SEMA e o IBAMA acertaram com esta medida não só pela posição antropocêntrica assumida, como também pela iniciativa pioneira, na administração pública, de permitir formalmente a co-gestão de uma de suas unidades executoras, pois conforme a citada Portaria, o CNPT, ë orientado, monitorado e avaliado por um Conselho Consultivo composto por representantes de seus beneficiários, ONGs e entidades que trabalham com Populações Tradicionais.

Após 07 (sete) anos de experiência e em plena Reforma Administrativa do Estado, hoje esta forma de gestão participativa é reconhecida como a mais recomendável. Por outro lado, mesmo dentro da estrutura formal do IBAMA, o CNPT tem mostrado agilidade, eficiência e eficácia, como resultado do formato da sua estrutura e arranjos administrativos, do seu vínculo direto à Presidência do IBAMA, da sua capacidade de articulação entre os diversos Órgãos e Agências do Governo Federal, Estadual e Municipal e da capacidade de resposta das suas representações em diversas cidades do Brasil.

Para o CNPT, seus dois primeiros anos foram muito difíceis porque com apenas um mês de existência houve a troca do seu criador, na Presidência do IBAMA, frustando a primeira expectativa de fortalecimento administrativo e operacional, e por que após a sua criação, recebeu a rejeição de diversos setores do IBAMA, que não compreendiam sua função. Foi difícil para o CNPT se estabelecer enquanto setor do IBAMA, devido à "Cultura Institucional" alimentada por dogmas anacrônicos, taxava como "heresia", a preocupação com questões sociais. Esquecia-se que a maior agressão ambiental é a miséria e que o próprio subdesenvolvimento é o principal fator de degradação ambiental.

Afortunadamente, o principio N0 01 da Declaração do Rio de Janeiro aos poucos foi assimilado: "Os seres humanos estão no Centro das preocupações com o desenvolvimento sustentável. Tem direito a uma vida saudável e produtiva, em harmonia com a natureza" (Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento).

Hoje, devido, em primeiro lugar à evolução geral da sociedade e especialmente das esferas ambientalistas convictas de que o ser humano é o centro do problema e de que sua participação é indispensável, e em segundo lugar, devido aos bons resultados alcançados pelo CNPT nos seus 07 anos de atuação, o IBAMA orgulha-se deste Centro e o divulga como modelo de gestão. O reconhecimento da sua eficiência é compartilhado pelos seus beneficiários, ONGs e parceiros de trabalho conforme avaliações externas e independentes feitas pelo MMA, PNUD, Banco Mundial, PPG7 e pelo próprio IBAMA.


2. Estrutura e funcionamento do CNPT

Tal como anteriormente mencionado, o CNPT tem uma estrutura funcional de co-gestão entre representantes das Populações Tradicionais, Organizações não Governamentais e Órgãos do Governo Federal e Estadual, organizada da seguinte forma:

  1. Órgãos Colegiados:

a) Conselho Consultivo
b) Conselhos Regionais

  1. Órgãos Executivos:

a) Escritório Central em Brasília
b) Escritórios Regionais (Representações Estaduais).

O Conselho Consultivo tem o objetivo de fiscalizar as ações e propor diretrizes, políticas para atuação do CNPT e ainda referendar a indicação do Chefe do CNPT. Ë composto por 10 (dez) membros, dentre Instituições não Governamentais e representantes das Populações Extrativistas. O Conselho é secretariado pelo Chefe do CNPT.

A composição do Conselho Consultivo do CNPT, é a seguinte:

  • 01 Representante do Conselho Nacional dos Seringueiros - CNS
  • 01 Representante do Movimento Nacional dos Pescadores - MONAPE
  • 01 Representante do Grupo de Trabalho Amazônico - GTA
  • 01 Representante da Rede de ONGs da Mata Atlântica
  • 01 Representante do Instituto de Estudos Sócio Econômicos - INESC
  • 01 Representante da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira - COlAB
  • 01 Representante do Centro de Articulação dos Povos Indígenas do Brasil - CAPOIB
  • 01 Representante da Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias da Câmara Federal
  • 01 Representante do Programa Comunidade Solidária
  • 01 Representante da Divisão de Projetos Especiais - INCRA

Os Conselhos Regionais acompanham as ações e as atividades do CNPT a nível regional.

Ë composto pelo superintendente do IBAMA, uma autoridade indicada pelo Governo do Estado e representantes dos demais organismos de sociedade civil envolvidas nos planos, programas e projetos regionais do CNPT.

Os escritórios Regionais tem a função de executar os planos, programas, projetos e ações do CNPT. São compostos por um "grupo" formado por Técnicos dos Governos Estaduais, Técnicos do IBAMA, além de Técnicos indicados pelo Fórum das Organizações Não Governamentais. Esses escritórios regionais, atualmente em número de 22 (vinte e dois), estão instalados nas seguintes cidades: Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Assis Brasil (AC), Xapuri (AC), Porto Velho (RO), Guajará Mirim (RO), Macapá (AP), Manaus (AM), Carauarí (AM), Imperatriz (MA), Belém (PA), Santarém (PA), Boa Vista (RR), Palmas (TO), São Miguel do Tocantins (TO), Florianópolis (SC), Arraial do Cabo (RJ), Maragojipe (BA), Recife (PE), Parnaíba (Pl), Corumbá (MS) e Cuiabá (Ml).

O Escritório Central do CNPT em Brasília é composto por uma equipe de 12 (doze) Técnicos de nível superior e 05 (cinco) pessoas de nível médio para apoio administrativo.


3. Princípios básicos de atuação

"O Meio Ambiente não existe como esfera desvinculada das ações, ambições e necessidades humanas"

(Gro. H. Brundtland - Prefácio "Nosso Futuro Comum")

"A melhor política ambiental é acabar com a miséria"

O trabalho do CNPT fundamenta-se no Art. 225 da Constituição Brasileira: é assegurado a todas as pessoas o Direito ao Meio Ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-Io para as presentes e futuras gerações".

Para orientar seus trabalhos, o CNPT tem seguido as diretrizes e estratégias gerais do Governo para o desenvolvimento e gestão dos recursos naturais, que assim podemos resumir:

Os recursos naturais, no contexto ambiental, não podem ser vistos sob a ótica do explorador, ou seja, da pura e simples apropriação privada de seus valores econômicos e não econômicos sem considerações acerca da sociedade onde os bens estão inseridos, e nem sob a ótica puramente preservacionista, que deseja sua intocabilidade. A apropriação dos recursos deve identificar as possíveis alterações nos diversos segmentos, para que se mantenha o equilíbrio de valores, a equidade na distribuição dos benefícios e dos custos (tanto da apropriação, como da conservação/preservação) e, ainda, que seja garantida a conservação dos estoques de recursos naturais renováveis em harmonia com o desenvolvimento econômico.

A diagnose e gestão atual do meio ambiente levam em conta os interesses e direitos das populações locais. A experiência histórica tem mostrado que as iniciativas de uso e conservação, principalmente de florestas tropicais nativas feitas a revelia das populações locais, enfrentou problemas sérios e, freqüentemente, fracassou. Como exemplo podemos citar as vastas áreas de manejo florestal na Malásia, os parques da África, as áreas verdes urbanas do Brasil e a ocupação recente da Amazônia. Por outro lado, a integração das populações locais na gestão dos recursos naturais tem se mostrado como um componente não apenas facilitador da gestão, mas, também, como uma estratégia para se distribuir seus benefícios de forma socialmente mais justa e, assim, contribuir para o desenvolvimento sustentado.

Nos países em desenvolvimento, a solução dos problemas ambientais tem íntima relação com a erradicação das situações de pobreza, fome e desemprego, pois são estas condições que induzem o Homem à apropriação dos recursos naturais, sem compromisso com a perenização deste mesmo recurso que hoje o alimenta. A tarefa inadiável consiste em harmonizar o respeito e a conservação da natureza com a dinâmica racional do desenvolvimento econômico-social, buscando excluir o conceito de que o crescimento econômico exige a contribuição da natureza e a degradação ambiental. Trata-se, portanto, de considerar o uso racional do meio ambiente e dos recursos naturais segundo uma proposta de desenvolvimento ecologicamente sustentado.

O Centro é orientado pelo Princípio N° 22 da Declaração do Rio de Janeiro: "As populações indígenas e suas comunidades, bem como outras comunidades locais, tem papel fundamental na gestão do Meio Ambiente e no Desenvolvimento em virtude dos seus conhecimentos e de suas práticas tradicionais... Os Estados devem reconhecer e apoiar forma apropriada a identidade, a cultura e os interesses dessas Populações e Comunidades, bem como habilitá-las a participar efetivamente da promoção do desenvolvimento sustentável.


4. Principais programas em execução pelo CNPT

O CNPT atualmente responde por programas de trabalho:

  • Organização e Apoio a Populações Tradicionais

Ao longo dos seus 7 anos o CNPT ajudou a organizar e apoiar com pequenos projetos em torno de 195 comunidades de extrativista incluindo comunidades indígenas, pescadores, quebradeiras de côco babaçu, seringueiros, castanheiros, coletores de frutos, sementes, erva medicinais, óleos e resinas;

  • Criação de Reservas Extrativistas

Foram criadas 16 reserva extrativistas:

- Rio Cajarí no Amapá;
- Alto Juruá, Chico Mendes e Alto Tarauacá no Acre;
- Médio Juruá no Amazonas;
- Rio Ouro Preto e Lago do Cuniã em Rondônia;
- Tapajós-Arapiuns no Pará;
- Ciriáco, Quilombo do Frechal e Mata Grande no Maranhão;
- Extremo Norte no Tocantins;
- Arraial do Cabo no Rio de Janeiro;
- Pirajubaé em Santa Catarina; e
- Baia de Iguape e Ponta do Corumbau na Bahia.

Atualmente estão concluídos 3 processos para criação de novas reservas: Lago do Tucuruí (PA); Baixo Juruá e Rio Jutaí (AM) e estão em andamento ou fase conclusiva mais 13 processos: Riozinho da Liberdade (AC); Sucurijú (AP); Auatí-Paraná, Lago de Catuá (AM); Arumanduba, Mutum, Soure e Pimental (PA); ltacaré (BA); Delta do Parnaíba (PI); Batoque (CE); Mata Norte (PE), e ltaipú (RJ).

Os estudos e a preparação/capacitação da população para criar uma reserva, duram em média 2 anos.

  • Implementação de Reservas já criadas

    Este trabalho principalmente é executado através do Projeto "Reservas Extrativistas" do PPG-7, primeiro projeto deste Programa executado dentro do IBAMA, que está em fase conclusiva, após ter recebido avaliação muito positiva dos doadores, beneficiários e parceiros.
    Através deste projeto foram melhor protegidas 2.162.989 ha. assegurando assim a terra e o futuro a 15.600 pessoas que recebem todo o apoio para se organizarem e melhorar a produção. Foram realizados também, programas de fiscalização participativa, manejo de lagos. alfabetização de lideranças, documentação e cidadania, proteção de quelônios de forma participativa, etc.

  • Apoio aos Seringueiros da Amazônia

CNPT foi incumbido de executar a política nacional da borracha nativa, apoiando os seringueiros conforme determina a Lei N° 9497 de 12/08/97. Os trabalhos são realizados em parceria com o MMA, Comunidade Solidária, Conselho Nacional de Seringueiros, Cooperativas e Associações de Seringueiros e consiste na construção e manutenção em funcionamento de usinas de beneficiamento de borracha, bem como o apoio a pesquisa para melhorar o produto e o fortalecimento de comunidades produtoras financiando pequenos projetos.

  • Coordenação do Prodex

Cumpre ao CNPT, conforme as portarias MMA N° 198 e IBAMA N° 547/98 coordenar e acompanhar a implementação do Prodex - Programa de Crédito para Extrativistas, gerenciado pelo BASA. O trabalho é realizado através de 7 coordenações estaduais (Região Norte), em parceria com o BASA e as empresas estaduais de assistência técnica (Emater, Ceplac, Ruraltins, Rurap, IDAM).
Em que pese a falta de recursos para tomar operacional a assistência o técnica - condição "sine Qua non", já foram concretizados mais de 5000 financiamentos, até Outubro/2000, e estão em tramitação outros 1000 e há demanda p/ mais 2000.


Veja Também:


 

 

Voltar