Operação Castanheira combate grilagem de terras e crimes ambientais no Pará PDF Imprimir E-mail
Brasília (27/08/2014) - Uma investigação conjunta do Ibama,Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal, resultou, hoje (27/08), na deflagração da operação Castanheira, destinada a desarticular  organização  criminosa  especializada em grilagem de terras e  crimes ambientais na cidade de Novo Progresso, região sudoeste do Pará.
A  quadrilha agia  invadindo terras públicas (dentre elas, a  Floresta  Nacional  do  Jamanxim),  promovendo  desmatamento  e  queimadas  para  formação  de  pastos. Posteriormente a área degradada era loteada e  revendida a produtores e agropecuaristas. O dano ambiental,  já  comprovado  por perícias, ultrapassa R$ 500 milhões.
Estão sendo cumpridos na operação 22 mandados de  busca  e  apreensão, 11  de  prisões  preventivas, 3  prisões  temporárias e 4 conduções  coercitivas. Além de Novo Progresso/PA, diligências estão sendo realizadas também em cidades de São Paulo, Paraná e Mato Grosso.
Os  envolvidos são considerados os maiores desmatadores da amazônia brasileira atualmente e  deverão  ser  indiciados pelos crimes de invasão de terras públicas, furto, sonegação fiscal, crimes ambientais, falsificação de  documentos, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Somadas, as penas podem ultrapassar os 50 anos de reclusão aos condenados.
Participam da ação de hoje 96 policiais federais e 19 servidores do  Ibama. O nome da  operação é uma alusão à  árvore  castanheira que é protegida  por lei e símbolo  da  Amazônia, abundante na região de Novo Progresso.
Entrevista coletiva, com participação de todos os órgãos envolvidos na investigação, será concedida à imprensa, às 17h, na  Superintendência da Polícia Federal do Pará, localizada na Avenida Almirante  Barroso, nº 4466, Souza, Belém/PA.
Ascom Ibama