Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Notícias 2017 > Ibama investiga 444 contêineres por irregularidades no transporte de madeira em portos de Manaus (AM)
Início do conteúdo da página

Ibama investiga 444 contêineres por irregularidades no transporte de madeira em portos de Manaus (AM)

Publicado: Quinta, 18 de Janeiro de 2018, 20h41 | Última atualização em Quinta, 18 de Janeiro de 2018, 21h02
Agente ambiental vistoria contêiner em Manaus (AM) durante a operação Arquimedes
Foto: Ibama
Foto: Ibama

Brasília (18/01/2018) – Operação realizada pelo Ibama e instituições parceiras para combater o comércio de madeira extraída ilegalmente da Amazônia resultou na apreensão de 444 contêineres nos portos de Manaus (AM). Até o momento, agentes ambientais realizaram perícia em 20% da carga. Pelo menos metade da mercadoria retida seria destinada à Europa e aos Estados Unidos. Foram aplicados 58 autos de infração, que totalizam R$ 400 mil.

A operação Arquimedes foi iniciada a partir de alerta emitido pela Receita Federal ao verificar aumento incomum do trânsito de madeira pelo porto de Chibatão (AM). O Ibama analisou Guias do Documento de Origem Florestal (DOF) e constatou que parte delas eram emitidas e canceladas, permitindo que a carga fosse transportada sem que houvesse desconto dos créditos de madeira no sistema de controle. Em alguns casos também foram verificadas diferenças entre a volumetria informada nos papéis e o conteúdo dos contêineres, além de inconsistências relacionadas às espécies transportadas.

Usualmente, os produtos (toras, tábuas, ripas e pranchas) são medidos com uma trena e o volume é calculado a partir das dimensões obtidas. Essa técnica exigiria que a carga fosse totalmente retirada dos contêineres para que não houvesse perda na precisão.

O método usado nos portos de Manaus relaciona a massa da carga e a densidade específica de cada material para determinar o volume real da madeira. O peso líquido do contêiner pode ser obtido no próprio porto, pois a carga é pesada antes de chegar à área alfandegária. O dado que deve ser obtido para a aferição do volume é a densidade média da madeira nos contêineres. Para saber a densidade são coletadas amostras de cada espécie de madeira por contêiner.

De acordo com o chefe da Divisão Técnico Ambiental do Ibama em Manaus, Hugo Loss, o método usado para calcular o volume durante a operação é apropriado para situações em que é preciso estimar quantidades de madeira serrada transportada em contêineres. “É possível realizar estimativas rápidas e precisas, garantindo eficiência à ação fiscalizatória e segurança jurídica ao processo administrativo sancionador”, disse o analista do Ibama.

A fase atual da operação Arquimedes investiga os envolvidos na extração, no transporte e na comercialização de madeira beneficiada. Todas as informações foram enviadas à Polícia Federal (PF) para apuração no âmbito criminal. Os infratores responderão por crimes contra a flora previstos na Lei n° 9.605/1998 (Lei de Crimes Ambientais) e por receptação, conforme disposto no Código Penal.

"O Ibama continuará a atuar e reforçará a parceria com a Polícia Federal e a Receita Federal no controle ambiental das cargas movimentadas nos portos e aeroportos do país", disse a presidente do Ibama, Suely Araújo.

 

Assessoria de Comunicação do Ibama
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(61) 3316-1015

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página