Ibama cria Unidade Avançada no Aeroporto Internacional de São Paulo PDF Imprimir E-mail

Brasília (01/08/2013) - A criação da Unidade Avançada no Aeroporto Internacional de São Paulo, no município de Guarulhos, é parte do Projeto Portos, Aeroportos e Fronteiras desenvolvido pelas Diretorias de Qualidade e Proteção ambiental do Ibama para a efetiva atuação no controle ambiental do comércio exterior, e tem como objetivo qualificar a importação e exportação dos produtos sujeitos à anuência do Instituto, no maior terminal de logística de cargas e passageiros da América do Sul. 

O diretor de Qualidade Ambiental, Fernando Marques, declarou que “a atuação estratégica no comércio exterior reafirma a nova cara do Ibama, que se concilia com a missão institucional de focar suas atividades nas atribuições federais definidas pela Lei Complementar 140/2011”.

A participação integrada do Ibama junto às Autoridades Aeroportuárias na Operação Copa das Confederações em cooperação estreita com a Receita Federal, Ministério da Agricultura, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e Polícia Federal, no controle do desembarque e embarque das delegações da Nigéria, Taiti, Japão, México e Uruguai, foi destacada pelo Diretor de Proteção Ambiental, Luciano Evaristo, como “marca definitiva na consolidação da atuação do Ibama no comércio exterior e nos grandes eventos internacionais recebidos pelo Brasil”.

O Projeto de Implantação da Unidade está sendo desenvolvido pela SUPES/SP desde março de 2013, e, segundo o Superintendente Murilo Rocha, com a medida adotada será estabelecida uma fiscalização de rotina por parte do Ibama no aeroporto visando coibir o comércio ilegal de substâncias contaminantes, fauna, flora, resíduos sólidos, entre outros. Murilo ressaltou que a atuação no principal aeroporto do país é fundamental para garantir a efetividade no atendimento aos protocolos internacionais dos quais o Brasil é signatário, a exemplo das Convenções de Basiléia e Roterdã, o Protocolo de Montreal e a Cites, entre outros.

Segundo Rodrigo Cassola, chefe da Divisão Técnico-Ambiental do Ibama em São Paulo, a expectativa agora é que o projeto que já está em sua segunda fase de implantação, possa iniciar a Etapa Piloto. Desde o início das atividades foram lavrados nove autos de infração, somando R$ 1.390.600,00 de multas nos temas de Fauna, Flora, Recursos Pesqueiros e Patrimônio Genético. Registramos ainda ação, com base na Lei 12.715/12, que determinou a devolução imediata à Portugal de carga com 24 animais exóticos que estavam sem documentação de origem ambiental (foto).

Ascom/Ibama
Foto: Diqua/Ibama

 

 

 

Atenção: Este site é mais bem

visualizado com Mozilla Firefox.